1 de dez de 2010

Tudo o que devemos deixar para trás...


Bem, dia um de dezembro chegou.
Normalmente a época em que começam as divagações sobre o que se passou durante o ano e as promessas para o próximo. Eu, apesar de ter detestado 2010, acho que ele me serviu para algo, para ter a certeza de que devo mudar.

Esvaziando a mochila
Até o momento aprendi que não posso levar comigo TUDO o que adquiro no decorrer da minha vida. Existem coisas que devemos deixar para trás, afinal, pra que levar peso extra? Aprendi, também, que não preciso ser "o cara", não preciso aturar todo mundo e nem conviver com quem não quero (coisa que só me fazia quebrar a cara). Não preciso me apegar ao passado e nem levá-lo em consideração. Vou começar (já comecei, na verdade) a mandar para o limbo tudo o que não preciso mais. Perceber isso está sendo libertador.

Escolhas
Outro problema. Percebi que tenho a mania de deixar as escolhas que deveria fazer nas mãos dos outros. Sempre escolhem para mim o que devo (e como) fazer. Chega. Essas escolhas são uma merda, na maioria das vezes me arrependo e depois quem tem que conviver com isso sou eu. =/

Ser agradável
Essa é foda. Sempre tive medo de magoar os outros (o que é esquisito, pois acontece com uma frequência impressionante) e me preocupar com o que vão achar. Decidi pensar mais em mim e "deixar rolar". Na boa, não sou eu que vou mudar o mundo. Não preciso mais ser o que esperam de mim. Não estão satisfeitos? O problema não é meu. Engraçado é que se prestarmos atenção veremos que os que se importam menos com isso são os que conseguem viver melhor. Muito instrutivo isso.

Ser compreensivo
Hehehe, essa é obvia. Macaco velho não aprende truque novo. Não é por você querer que as pessoas mudarão. Aceite-as como são ou mande-as para o esquecimento.

Resumo
Pode não parecer muita coisa, mas essas simples mudanças foram importantes. O "perceber" que devo mudar já é um grande passo. Agora só devo imaginar o que esperar de 2011. ;-)
Postar um comentário

1 de dez de 2010

Tudo o que devemos deixar para trás...


Bem, dia um de dezembro chegou.
Normalmente a época em que começam as divagações sobre o que se passou durante o ano e as promessas para o próximo. Eu, apesar de ter detestado 2010, acho que ele me serviu para algo, para ter a certeza de que devo mudar.

Esvaziando a mochila
Até o momento aprendi que não posso levar comigo TUDO o que adquiro no decorrer da minha vida. Existem coisas que devemos deixar para trás, afinal, pra que levar peso extra? Aprendi, também, que não preciso ser "o cara", não preciso aturar todo mundo e nem conviver com quem não quero (coisa que só me fazia quebrar a cara). Não preciso me apegar ao passado e nem levá-lo em consideração. Vou começar (já comecei, na verdade) a mandar para o limbo tudo o que não preciso mais. Perceber isso está sendo libertador.

Escolhas
Outro problema. Percebi que tenho a mania de deixar as escolhas que deveria fazer nas mãos dos outros. Sempre escolhem para mim o que devo (e como) fazer. Chega. Essas escolhas são uma merda, na maioria das vezes me arrependo e depois quem tem que conviver com isso sou eu. =/

Ser agradável
Essa é foda. Sempre tive medo de magoar os outros (o que é esquisito, pois acontece com uma frequência impressionante) e me preocupar com o que vão achar. Decidi pensar mais em mim e "deixar rolar". Na boa, não sou eu que vou mudar o mundo. Não preciso mais ser o que esperam de mim. Não estão satisfeitos? O problema não é meu. Engraçado é que se prestarmos atenção veremos que os que se importam menos com isso são os que conseguem viver melhor. Muito instrutivo isso.

Ser compreensivo
Hehehe, essa é obvia. Macaco velho não aprende truque novo. Não é por você querer que as pessoas mudarão. Aceite-as como são ou mande-as para o esquecimento.

Resumo
Pode não parecer muita coisa, mas essas simples mudanças foram importantes. O "perceber" que devo mudar já é um grande passo. Agora só devo imaginar o que esperar de 2011. ;-)
Postar um comentário