24 de nov de 2010

E CÁ ESTAMOS NÓS DE NOVO...


Estranho, entra ano e sai ano e o círculo se repete.
Cá estou eu, outro final de ano, divagando sobre como é, deveria ter sido e como será minha vida.
Breve haverá um amigo secreto de parte da turma das baladas de 95/96. Infelizmente tenho pouco contato com eles (a maioria mora em outros estados ou países), mas toda vez que os revejo é como se tivéssemos nos despedido no dia anterior, não sinto o gap de meses de distância que normanmente acontece. Posso dizer que são meus amigos mesmo. Não exijo nada deles e nem eles de mim, não cobro algo que não seja natural deles e eles fazem o mesmo comigo. Será que essa é a razão da amizade ser tão verdadeira e duradoura?
Se pensarmos direito os relacionamentos começam a desandar quando projetamos algo irreal no outro. Poxa, todo mundo tem defeitos, mas qual o motivo de nossos parceiros e amigos não poderem demonstrar os seus? Será que não seria o caso de pararmos de cobrar e aceitar como são? Ou mesmo, se fosse o caso, cortar de nossas vidas se não gostarmos da pessoa do jeito que ela verdadeiramente é?

É injusto cobrar, digamos, maturidade de alguém que não está preparado e , muito pior, atitudes e ações que não fazem parte da personalidade dele.
Erramos, também, quando fazemos alguém achar que é especial quando no fundo sabemos que ela é apenas uma pessoa, com uma porrada de defeitos e qualidades, mas nem mais nem menos; só mais uma pessoa.
Claro que algumas vezes nos enganamos, mas não seria o caso de enxergar as coisas como são realmente?
Decepcionamos-nos "de graça" e a culpa é só nossa.
De hoje em diante acho que tentarei agir assim: não cobrar nem exigir;
só enxergar todo mundo como realmente são, simples pessoas.
Postar um comentário

24 de nov de 2010

E CÁ ESTAMOS NÓS DE NOVO...


Estranho, entra ano e sai ano e o círculo se repete.
Cá estou eu, outro final de ano, divagando sobre como é, deveria ter sido e como será minha vida.
Breve haverá um amigo secreto de parte da turma das baladas de 95/96. Infelizmente tenho pouco contato com eles (a maioria mora em outros estados ou países), mas toda vez que os revejo é como se tivéssemos nos despedido no dia anterior, não sinto o gap de meses de distância que normanmente acontece. Posso dizer que são meus amigos mesmo. Não exijo nada deles e nem eles de mim, não cobro algo que não seja natural deles e eles fazem o mesmo comigo. Será que essa é a razão da amizade ser tão verdadeira e duradoura?
Se pensarmos direito os relacionamentos começam a desandar quando projetamos algo irreal no outro. Poxa, todo mundo tem defeitos, mas qual o motivo de nossos parceiros e amigos não poderem demonstrar os seus? Será que não seria o caso de pararmos de cobrar e aceitar como são? Ou mesmo, se fosse o caso, cortar de nossas vidas se não gostarmos da pessoa do jeito que ela verdadeiramente é?

É injusto cobrar, digamos, maturidade de alguém que não está preparado e , muito pior, atitudes e ações que não fazem parte da personalidade dele.
Erramos, também, quando fazemos alguém achar que é especial quando no fundo sabemos que ela é apenas uma pessoa, com uma porrada de defeitos e qualidades, mas nem mais nem menos; só mais uma pessoa.
Claro que algumas vezes nos enganamos, mas não seria o caso de enxergar as coisas como são realmente?
Decepcionamos-nos "de graça" e a culpa é só nossa.
De hoje em diante acho que tentarei agir assim: não cobrar nem exigir;
só enxergar todo mundo como realmente são, simples pessoas.
Postar um comentário